medo da pressa

Dizem que a pressa é inimiga da perfeição.
Ainda assim, vivemos correndo. Quando paro para pensar, tenho medo da pressa com que vivemos a vida. Esquecemos de respirar, agradecer, conversar. Estamos sempre correndo atrás de algo melhor.

Tenho medo da forma como vivemos as relações no automático, esquecendo de sentir cada um dos momentos.
É pá pum! Estou aqui sentada com você tomando um vinho, mas tô ali pensando no que vamos fazer depois ou quando será a próxima vez que vamos nos encontrar.

Cadê o aqui, o agora, o presente?
Esquecemos de viver, porque estamos preocupados com o futuro. Preocupados com quando vamos nos ver de novo e como será o desenrolar dessa história. A mágica dos encontros vira coadjuvante quando nossa maior preocupação é saber o que será a partir dali.

Não sabemos viver as coisas em degraus. Estamos sempre a 220v por hora. Cobrando respostas.
“Ele visualizou e não respondeu”; “Saímos ontem e ele não me ligou ainda”; “E se transarmos na primeira noite e ele não me ligar mais?”

A verdade é que o mundo anda mesmo sem paciência para ver o desenrolar das coisas.
Temos dificuldade em compreender que a vida tem um curso natural e as coisas vão acontecendo num ritmo próprio, que ninguém tem controle.

Eu mesma sofro com isso. Muito. Vivo o eterno dilema entre o meu imediatismo e simplesmente deixar as coisas rolarem.
Deixar a vida seguir o curso natural é tarefa quase impossível para mim. Paciência é outra palavra que conheço pouco.

Já disse aqui no blog e repito: o meu tempo nunca vai ser o tempo do outro.

Vivi uma situação em que saí com um cara 4 vezes e desisti porque estava achando difícil demais.
Sinceramente quando olho para trás percebo que me precipitei. Não estava difícil, só estava devagar pro meu ritmo frenético!

O ritmo era de duas pessoas se conhecendo! Sempre que nos encontrávamos era ótimo, mas o ritmo era esse: uma vez por semana, sem obrigações e pré-combinações.

Por pura bobagem, deixei de viver uma coisa bacana. Por ansiedade do que tinha que ser.
Somos a geração da ansiedade, afinal nossas ansiedades têm ansiedades.

Fomos criados para acreditar que somos capazes de tudo. Basta sonhar!
Na teoria é muito lindo, mas somos uma geração que não sabe lidar com o não.

Queremos tudo para ontem e para já. Não sabemos lidar com o médio/longo prazo.
A arte da conquista pra gente acontece em uma noite!

Um exemplo super claro disso para mim é como eu lido com o Tinder. Eu não gosto de dar match (explico tudo aqui!) com um cara hoje e só sair depois de sei lá, 3 semanas. Perco o interesse. Porque vivo muito o que quero agora.

Mas o tempo tem suas qualidades. Como tudo na vida, temos que saber o tempo exato de agir. Uma insistênciazinha fora de hora pode ser definitiva para transformar um sim num não. 

É difícil porque quando já sabemos o que queremos, sabemos que não queremos esperar.
E aí forçamos a barra. Perdemos a naturalidade e por vezes as oportunidades.

A gente não sabe deixar as coisas ao acaso. Aquele pensamento de “ah, se rolar perfeito, mas se não rolar também, tudo bem”.
Não é bem assim. A gente quer fazer acontecer. Se pudéssemos até manipularíamos o destino.

Em termos de relacionamento, isso me preocupa muito. Me preocupa, principalmente, porque eu não tenho paciência para deixar a vida agir.

Não sei lidar com pessoas lentas, pessoas em processo de decisão… enfim, pessoas que não querem a mesma coisa que eu na hora que quero.
Pensamento mimado da nossa geração.

Talvez a pessoa seja passível de uma mudança de opinião, mas quem disse que consigo esperar para ver?
Nesse sentido, tenho medo de perder as oportunidades da vida por pura ansiedade. É nessas horas que a vida pede para desacelerarmos. 

Author Description

Sem respostas para “medo da pressa”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*