Entrevista sobre alimentação

Olá, gente!

Depois que decidi mudar um pouquinho a minha alimentação, estou conversando muito com algumas pessoas sobre isso. Vegetarianos, veganos, pessoas que admiram o estilo de vida, etc.
Tem sido um desafio desgarrar de hábitos adquiridos nos últimos mais de 25 anos de vida, mas estou tentando. A comida tem um lado de memória afetiva muito grande, por isso, é importante eu começar a construir outros laços mais saudáveis e quem sabe um dia conseguir cortar todas as proteínas animais da minha vida.
Sendo assim, estou buscando inspirações em pessoas que já tem esse estilo de vida e podem me motivar ou motivar vocês. Vou colocar entrevistas sempre que conseguir aqui no blog.
Conheço a Lara Rebibout desde os tempos de faculdade. Nos conhecemos em agosto de 2006 e imediatamente pensei que me tornaria amiga dela. Não deu outra. Somos amigas desde o primeiro período de Comunicação na PUC-Rio.
Na época, ela era uma das poucas vegetarianas que eu conhecia. Eu lembro uma vez a gente no Diálogos Universitários, aquelas palestras na faculdade, ela cuspiu um salgadinho porque disseram que não tinha frango e tinha. E outra vez que fomos no Outback e ela descobriu depois de anos que o molho da salada Caesar tinha alici.
Lovemojitos: Quando e como foi a decisão de se tornar vegetariana? 
Foi em 2005, aos 16 anos. Ainda na época do Orkut hahaha. Eu comecei meio que ao acaso a ler fóruns e posts em grupos do PETA e essas coisas, a me informar sobre maus tratos, sobre a vida em cativeiro – em especial bois e vacas. No auge da adolescência o que me motivou foi a falta de dignidade que os animais vivam (para virarem alimento de gente)
Lovemojitos: Na sua opinião, qual a maior dificuldade de ter uma alimentação diferente? Aspas em diferente! 
Acho que é frequentar festas, casamentos, ter que perguntar se o feijão foi feito com carne…Eu ficava muito restrita a poucas comidas (em ocasiões especiais) e é bem chato ir num rodízio e o cara esfregar mil vezes aquela carne na sua cara. Fora isso, no dia a dia, nunca tive grandes problemas.
Ah! O preço né? Um caixa com 6 hambúrgueres de soja custa quase 20 reais. E de hambúrguer bovino muito menos. Leites vegetais aqui são caríssimos. (Na Espanha eram tão baratos haha). Mas tento focar que estou investindo em saúde e vou economizar com plano de saúde no futuro, rs.
Lovemojitos: Sua alimentação sofreu muitas mudanças no processo vegetariano nos últimos tempos? Conheço muitos vegetarianos que nem saudáveis são. 
Hoje, 2017 é boa, mas até 2016 era muito ruim! Sempre fui hard core junk, numa família de gordinhos. Eu apenas eliminei a carne do prato. Mas continuei comendo muita massa, pipoca, batata, tortas, doces em geral, refrigerante, etc. Você já mora sozinha há muito tempo, mas eu só fui sair da casa da minha mãe quando fui fazer o mestrado em Portugal. Antes disso eu tinha empregada que cozinhava na minha casa, não era eu quem fazia as compras, então é muito fácil vc permanecer na zona de conforto e se guiar pelos hábitos de consumo dos outros (da minha família, no caso). Quando fui morar em Portugal aconteceu um baque, um choque de realidade! Engordei 8kg no período de 10 meses morando lá, meus dias eram caóticos, horários doidos, grana curtíssima, então me alimentava muito mal. Variedade nutricional zero! Quando fui morar em Madrid – com uma rotina organizada e horários decentes – resolvi mudar. É uma chave que vira, sabe? Tipo parar de fumar. Já estava com 28 anos, vegetariana há 12 e gordinha. E a partir daí comecei a me alimentar bem, há exato 1 ano haha. Diminui os carboidratos (pão e massa) absurdamente, cortei os doces, acrescentei vários ingredientes que não faziam parte do meu dia a dia: cogumelos, grão de bico, abobrinha, rabanete, berinjela, quinoa, abacate, aveia, linhaça. A introdução desses alimentos foi progressiva e hoje amo todos. Levava quentinha pro trabalho TODO DIA. Passei a dormir melhor, a acordar no pique, a ir ao banheiro regularmente (inédito na minha vida!), a ficar menos doente.
Lovemojitos: Desde que se tornou vegetariana, o que mais escuta? Tipo em termos de julgamentos ou comentários positivos? 
Nossa, a tal da proteína! Que saco isso! Rs. E também as pessoas dizerem “você não tem pena das plantinhas?” Affe maria. Parece até que o corpo é composto apenas de proteínas. Minha vontade é perguntar de volta pras pessoas: e as fibras, e seu colesterol, como tá? Haja paciência, rs.
Lovemojitos: Você pensa em voltar a comer carne? Ou se tornar vegano, por exemplo? 
Não, carne jamais. Eu em períodos alternados comi alguns peixes e camarão (porque amava). Inicialmente cortei tudo e assim permaneci. Mas depois voltei a comer peixe por alguns anos. Desde janeiro decidi cortá-los novamente.
Sim, desejo me tornar vegana. Antes, como eu era muito junk, achava que isso seria impossível! Hoje vejo que muito em breve serei capaz. Acho que é a questão da tal chave virar! E o que me motiva a isso é mais a questão ambiental (de veganos demandarem de menos terra plantada, ser menos poluente etc). Leite e queijo eu já praticamente erradiquei da minha vida. Na minha casa nem entra! Mas às vezes não resisto a um brigadeiro, meu ponto fraco são os doces!
Ovo eu ainda como muito, sempre de galinhas soltas e orgânico. Mas quero parar com ele em breve também!
Lovemojitos:  Eu encaro essas mudanças alimentares como decisões mais saudáveis. O que você acha?
HOJE eu também! Antes para mim era só eliminar a carne.
Me sinto numa maturidade alimentar que jamais me veria praticando. A Lara de 5 anos atrás ia gargalhar na cara da Lara de hoje! Mas estou muito orgulhosa do que eu tenho me tornado. 

Author Description

Sem respostas para “Entrevista sobre alimentação”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*