cruelty free – um longo caminho

O ser humano é um serzinho que tem a capacidade de estar em eterna evolução. Por isso, tenho buscado mudar um pouco conceitos e hábitos que me acompanharam por mais de 20 anos pelo menos. Estou num processo ainda recente e gradual de quem sabe um dia deixar de lado todas as proteínas animais. Sem rótulos, porque quem precisa deles, né? Mas com muita saúde e acima de tudo consciência.

Sendo assim, o melhor caminho é estar sempre em busca de informações. Por isso, o post de hoje é sobre marcas de cosméticos nacionais e internacionais que não testam seus produtos em animais. Ou seja, não causam nenhum dano ou morte de nenhum ser humano ou bicho.

Toda mudança é difícil porque requer adaptação e é por isso que tenho sido tão cautelosa ao falar desse assunto. Porque pessoas mal informadas perpetuam ideias vazias ou por falta de informação muitas vezes consomem produtos que não sabem, etc. Estou em fase de aprendizado.

O assunto de crueldade contra animais na indústria da moda é recorrente e bastante sério. Uma das bases do consumo consciente é entender como é a produção dos bens e a preocupação das marcas que consumimos com seu impacto no mundo. 

Na internet hoje há muita informação. Pelo site do PEA e do PETA você tem acesso a listas mais completas.

O site do PEA, por exemplo, informa se a empresa não testa em animais, não considerando a composição dos produtos. Neste caso aí, você precisa entrar em uma subpágina para saber quais são os produtos de origem animal Clique Aqui.

Como funciona? Todas as empresas Nacionais, que estão nesta lista, informaram o PEA via documento que não realizam testes com animais. O documento fica disponível na página deles. O PEA alerta que uma declaração desse tipo, se fosse falsa, poderia gerar muitos transtornos para a empresa, respondendo inclusive por crimes contra o consumidor, propaganda enganosa etc.

No site do PETA, por exemplo, eles disponibilizam uma lista de mais de 2,5 mil empresas que não testam em animais.

A foto a seguir foi extraída do site deles com marcas grandes que ainda testam em animais.

A seguir os símbolos Cruelty-Free difundidos mundialmente.

CrueltyFree1

1. O logo do coelhinho saltitante tem representatividade internacional e está relacionado a duas organizações: Coalition for Consumer Information on Cosmetics (CCIC) e Cruelty-Free International. Ambas foram criadas a partir da união de organizações relacionadas aos direitos dos animais e são as responsáveis por permitir que marcas usem o logo (as exigências são encontradas aqui).

2. O segundo logo é mais famoso por quem já visitou sites de maquiagens como o da Too Faced. O coelho do Caring Costumer (nome do símbolo) vem da organização PETA, nos EUA.

3. Na Austrália, o logo principal é o da Choose Cruelty-Free (CCF), uma ONG australiana que luta pelos direitos dos animais, a fim de que eles não sejam mais usados em testes para a fabricação de cosméticos.

Testes internacionais

Esse assunto ainda é MUITO novo para mim. Tudo é aprendizado. Estou aberta SEMPRE a sugestões, criticas e ideias. Quero trocar muito! Ainda é um longo caminho. Tem gente que já tá nessa estrada há meses ou anos e pode me ajudar .

Vale lembrar de toda polêmica sobre os testes em animais que eram obrigatórios para quem quisesse comercializar seus produtos na China, hoje o maior polo industrial para produção em curto prazo. No final de 2014, acho, a China Food and Drug Administration (Administração de Comida e Drogas da China) anunciou que cosméticos considerados comuns como shampoos, cremes para uso superficial, sabonetes e produtos semelhantes não teriam mais a necessidade de serem testados em animais. Isso significa que a empresa pode escolher testar ou não em animais para vender estes produtos na China, desde que eles tenham sido fabricados lá. Empresas que fabricam em outros países deverão continuar a testar em animais para vender na China.

Produtos cosméticos considerados de uso especial como tinturas para cabelo e bloqueadores solares – independentemente de onde sejam fabricados – continuarão sendo testados em animais por lei para entrar no mercado chinês.
Mercado vegano

Há ainda produtos vegano, que não levam nenhum ingrediente de origem animal (como cera de abelha, ovos, mel, lanolina ou corantes oriundos de insetos) em sua composição, enquanto os cruelty-free não testam seus produtos em animais.

Uma das marcas pioneiras e mais bem conceituadas é a britânica Lush. Dentre os diversos produtos disponíveis, 100% são vegetarianos e 83% veganos, isso porque alguns ingredientes de origem animal são usados por suas propriedades naturais. Levantando a bandeira cruelty-free, a marca faz questão de que a obtenção destes produtos seja feita de forma ética, certificada e sem crueldade.

Já a Simple Organic cria produtos 100% naturais e contam também com algumas opções veganas em seu cardápio de beleza. A label traz a linha Organic Makeup e a linha Wellness, que são 100% veganas, orgânicas e naturais.

Outras marcas como Face It ou Caudelie também têm produção vegana. A The Balm e Urban Decay são marcas também cruelty free. A Urban Decay é 90% vegana nas suas produções e foi uma das grandes empresas a anunciar publicamente a saída da China por conta das condições impostas pelo país.

aqui uma lista com mais opções, inclusive de marcas nacionais.

Author Description

Sem respostas para “cruelty free – um longo caminho”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*