como vejo meu corpo

Bom dia!

Hoje queria falar sobre um assunto que tô pensando há alguns dias e queria dividir.
Sempre que olho fotos antigas do meu corpo, me dá um aperto no coração. Não vou mentir. Engravidar é antes de tudo desprendimento.

Talvez um nível pessoal de desprendimento que ainda não tenha noção, mas de forma superficial posso falar do desprendimento estético.
Eu estava treinando para uma maratona quando engravidei. Ainda assim, estava quase que 5kgs acima do que considerei meu corpo ideal até hoje.
Meu corpo ideal até hoje era um corpo bemmm magro, do qual eu me orgulhava muito. Não porque eu passasse fome, mas porque eu fazia MUITO exercício e isso me preenchia bastante.

Essa primeira foto é de julho de  2016, por aí. Estava com quase 52kgs, meu menor peso da vida adulta. Estava correndo mais de 50km por semana. Treinava todos os dias. Por prazer mesmo. Isso posso garantir para vocês. Sempre fui vidrada na endorfina do treino.

No entanto, quando olho hoje em dia essa foto, quase não me reconheço. Não reconheço essa barriga e nem essa falta de peito. Haha.
Como tudo na vida, a gente vai se adaptando e hoje mais relaxada estou curtindo as mudanças no meu corpo para receber a Sofia. Acho MUITO incrível a natureza ser tão perfeita e capaz de modificar o nosso corpo inteiro para gerar uma vida.

Mas sim, querer desprendimento. E não foi do início da gravidez que aprendi a curtir essas mudanças todas.
Não sou hipócrita em falar que não me ligava no meu corpo. Sempre fui bastante preocupada. Hoje reflito sobre a não naturalidade do tema para mim.

Percebo que foi em vão. Posso voltar a ter esse corpo pós gravidez? Imagino que com um certo esforço sim, mas hoje me preocupo principalmente com minha saúde. Saúde emocional e física.

Naquela época, dessa foto, eu fazia dieta durante a semana e fim de semana me liberava mais. O meu ponto é: eu não estava preocupada só com minha saúde, estava ligada na minha magreza. Não pensava só no que nutria me corpo e sim nos alimentos menos calóricos. Vocês entendem a diferença?

Hoje percebo que certas coisas me fazem bem e outras mal. Sou capaz de distinguir isso e repenso diariamente sobre a minha alimentação e como posso torná-la mais nutritiva. Penso muito em uma alimentação equilibrada, sem rótulos, mas que acima de tudo me preencha e me faça verdadeiramente feliz.

O corpo é consequência de exercício.. No entanto, o cuidado alimentar deve ser pensando no seu bem estar. Felicidade entra aí também. A comida tem um laço afetivo grande com a gente. Não adianta negar. Por isso, que fazer DIETA é sempre tão sacrificante. Perdemos os nossos vínculos de afeto momentaneamente, mas eles estão na nossa cabeça. Acabamos nos privando demais ao invés de entender como tornar a comida também algo prazeroso e saudável.

Essa é uma foto pouco antes de eu engravidar ou já tava grávida e não sabia. Vocês acreditam que na época eu não estava satisfeita com meu corpo?
Pois é. Lembrava sempre da Paula da primeira foto. No entanto, na primeira foto, por mais que eu estivesse super feliz com meu corpo e os resultados dos meus treinos, eu não estava nutrindo meu corpo tanto quanto ele precisava. Vivia numa dieta mais restritiva durante a semana, comia os alimentos errados ou menos nutritivos, tomava muito leite, enfim. Várias questões.

A Paula da segunda foto também não estava 100% certa. Estava comendo mais besteira, no entanto estava se permitindo mais. Eu estava numa fase ruim com o treino. Tentando retomar o ritmo perdido e sofrendo muito com isso. E não estava conseguindo voltar a minha cabeça novamente para aquela dieta restritiva.

Nessa terceira foto já estava grávida de 11 semanas. Me achando ENORME e inchada. Sem entender muito bem o que estava acontecendo com meu corpo. Sem aceitar muito bem as mudanças. Afinal, sempre fui MUITO ligada à estética.

Atualmente, com 24 semanas, olho essa foto e rio de mim mesma. Que ingenuidade achar que estava muito grande aí.
Pedi tanto para barriga crescer, para ver a Sofia grandona e graças a Deus hoje ela ta aí. Despontando.

Até agora, engordei pouco mais de 7kgs e estou tranquila. O mais importante nesse momento, por mais que eu ainda me prenda a padrões estéticos (tentando sempre me tornar melhor e maior que isso), é pensar na saúde dela.

Então, exames de sangue OK, ferro ok, etc. Isso que importa.

Caramba, né? Como o corpo muda.
Mas acho que uma das belezas do corpo feminino é exatamente poder ser tantos em um só. Nos ensinar diariamente tantas lições que precisamos aprender.

A verdade é que a gravidez já me faz repensar tantas coisas e a estética é só mais uma delas.
Não quero ensinar pra minha filha que o que vale é ser magra. Quero ensinar para Sofia que o que vale é ser saudável. Por que passar a vida odiando ou questionando o próprio corpo, se podemos amá-lo por tudo de maravilhoso que eles nos dá?

O corpo que quero pós gravidez?
um que me leve a correr a próxima maratona, um que me dê saúde para brincar com a pequena. Só isso.

Author Description

Sem respostas para “como vejo meu corpo”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*