as teorias para encarar o fora

Tudo nesta vida é uma questão de perspectiva. Podemos optar por encarar as coisas pelo ângulo do copo meio cheio ou meio vazio.

De forma bem simplista, o mundo está dividido em otimistas (copo meio cheio) e pessimistas (copo meio vazio). O copo cheio deve ser sempre o nosso objetivo de vida. Afinal, é preferível ver as coisas de forma positiva. É mais fácil e mais leve.

Certamente, essa teoria foi criada por duas amigas: uma convencendo a outra de que tudo bem levar um fora.

6db48f6a10027bc01454d8a2357de7ab

Levar um fora é um grande saco! E não digo nem a última instância de um fora, que seria o pé na bunda. Digo só aquele balde de água bem gelada, sabe?

Vamos imaginar uma situação: você toma coragem de se declarar para aquele menino que você tem uma paixonite. Não é fácil. A gente fica nervosa, sua frio, consome álcool e vai lá. Quer dizer, finalmente aperta send na mensagem.

Nos dias de hoje, as declarações são assim. Que mané olho no olho! Admiro a coragem das gerações anteriores. Quer dizer, admiro a coragem de todos os meninos que se declararam pra mim olhando no meu olho. Até mesmo, aquele colega tímido da quarta série que falava segurando um balão daqueles de festa na cara para eu não olhar o seu rosto.

(Curiosidade: essa foi uma declaração que evoluiu com os anos. O mesmo menino tímido da quarta série me mandou um cartão uns anos depois perguntando se eu queria namorá-lo e por fim, no último ano da escola, ele me mandou uma mensagem no MSN se declarando. Apesar dos esforços, nunca tivemos nada.)

Voltando a nossa realidade complicada dos dias de hoje…

Após mandar a mensagem, rolam aqueles minutos de aflição. Que sejam só minutos mesmo. Aí vem a resposta. Medo de olhar e encarar a realidade. Putz, ele admira a sua coragem, mas…

Ahhh o mas. Vamos debater rapidamente o que significa o mas!
O mas significa “foda-se a parte anterior da mensagem porque tem aquele mas ali”. O “mas” quebra qualquer um. Com o “mas”, acabou a esperança.

O problema de eventulamente se declarar para alguém é que aquilo sai da sua cabeça e do campo da imaginação – onde tudo verdadeiramente é possível – e passa a ser realidade e pode rapidamente deixar de existir. Basta um mas.

Parece besteira. Coisa de adolescente. É exatamente assim que nos sentimos quando admitimos para outra pessoa que achamos ela bonita, que ficaríamos com ela, que daríamos like no Tinder. Voltamos a ser aquele adolescente desajeitado que era escolhido por último na aula de educação física.

Nesses casos, ficamos tentando nos convencer de que valeu a pena, que aprendemos algo, que o que vale é a intenção. Que temos saúde, beleza, etc. E haja surra de auto estima! Mas a resposta dele fica lá ecoando na nossa cabeça. E quanto mais a gente pensa, mais a gente se convence de que preferia ser enterrada viva a ter falado alguma coisa.

Sabe qual é a pior parte? É que você se convenceu de que só a coragem para de declarar bastaria. Afinal, é uma baita ousadia, mesmo quando estamos protegidos pela tela do celular. Aplausos para todos que estão diariamente superando limites na selva que é a vida de solteira 😉

Eu já tive umas 3 ocasiões na minha solteirice em que fui muito atrás da outra pessoa. E olha, sem estar bêbada. Na maioria das vezes, pintamos um cenário muito mais tenebroso que a realidade. Porque na maioria das vezes só se declarar é a pior parte. Mas tem aqueles casos em que isso não é suficiente e aí bate a bad do fora. Tem sempre aquela amiga que fala: “ah, desencana”. Hunf. Seria tão fácil se pudéssemos simplesmente virar uma chave na nossa cabeça.

Como encarar o copo meio cheio nessas horas? Aquelas frases fortes sempre surtem efeito: sou melhor que isso, tem muitos homens no mundo, a vida é muito curta para sofrer por besteira. Todas essas frases são pertinentes, mas é besteira pensar que nos contentamos tão rápido. Cisma de mulher não é fácil. No final, precisamos nos convencer que os ditados da nossa infância ainda oferecem as melhores lições de vida: quando um não quer, dois não brigam.

De fato a vida é a forma como encaramos ela. Eu prefiro ser otimista em relação ao amor. Sigo em busca do copo meio cheio sempre. E espero nunca perder a coragem para me declarar e correr atrás do que quero.

Author Description

Posts recentes

Sem respostas para “as teorias para encarar o fora”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*