40 semanas e contando…

“E aí nasceu?”

Têm algumas semanas já que as pessoas me mandam mensagem para perguntar isso ou me perguntam isso antes mesmo de dar bom dia. Estar grávida, entre muitas outras coisas, é aprender a lidar com a ansiedade dos outros sobre o nascimento do seu filho.

Sim, isso acontece.
Muito.

E quanto mais vai se aproximando da data prevista do parto, pior fica a ansiedade alheia. Todo mundo só quer saber disso. Hoje completei 40 semanas de gestação e até meu aplicativo de acompanhamento da gravidez me acordou perguntando se o bebê já tinha nascido. Na própria maternidade as atendentes demonstraram surpresa. Uai, mas não é um tempo normal de gestação?

Pois é.
Mas a verdade é que não estamos acostumados com a espera. Mesmo sabendo desde o principio a duração de uma gravidez a termo, como chamam.

Você some uns dias é porque o bebê nasceu, você não responde uma mensagem é porque entrou em trabalho de parto, você dorme e acorda tendo que responder essa pergunta. Que para muitos – já fui essa pessoa – pode parecer simples. Qual o problema em responder de forma rápida para saciar a curiosidade de amigos, familiares, colegas e até desconhecidos?

O problema é que depois de 40 semanas, se você está ansioso, imagina eu? Imagina o pai? Pois é.
Eu e Ygor estamos tão ansiosos que até já paramos de falar disso entre a gente. A gente só espera.

Eu sei que muitas vezes é um ato de preocupação, amor, carinho. Mas peraí que a sua ansiedade mexe com a minha.

Na minha cabeça, tenho várias respostinhas atravessadas e mal criadas, confesso. Mas me policio pra não ser a “louca dos hormônios”. Porque ainda tem isso, o normal é anormal, pelo visto.

A ansiedade é natural da gravidez. Faz parte do processo. Faz parte do aprendizado. Faz parte de um pacote de ansiedade que nunca mais na vida vai te largar, que tem nome e sobrenome. A gravidez é uma daquelas coisas da vida que simplesmente não controlamos, só vivemos.

Uma em cada 3 mulheres certamente é ansiosa por natureza. Não pesquisei a estatística, mas sei que não estou exagerando. Multiplica isso com hormônios. Dá um combo e tanto.

A verdade é que do momento em que nos descobrimos grávidas, a ansiedade aparece. Ansiedade de como vão ser os próximos meses, ansiedade do corpo e rotina que vão mudar, ansiedade para saber o sexo do bebê, ansiedade para garantir que o bebê tá se desenvolvendo bem e saudável. Ansiedade de tudo!

Quando vai chegando no final (para mim, final leia-se a partir do último trimestre), fica ainda mais complicado. Eu não me preparei para ficar tanto tempo grávida. Achei que Sofia seria tão apressada quanto a mãe. Ansiosa de novo.

Somos um país de cultura cesarista. As pessoas acham sim que tudo bem fazer parto com hora marcada, que não faz diferença. Então, para que esperar tanto, né? Senti uma certa pressão, ainda que discreta, para de repente optar pela cesárea por conta da ansiedade alheia. Me senti uma grávida de certa forma atrasada. “Como assim AINDA não nasceu?” Eu não sei explicar, mas foi como se esperar por algo natural fosse errado. Ou pior.

Às vezes sinto que não estou “fazendo o suficiente” para ela nascer logo. Sim, me senti já culpada. Me peguei pensando: peraí, será que eu deveria estar estimulando mais ela?  O que vai ter de gente te indicando chás, acupuntura, sexo, comida apimentada, caminhadas longas, exercícios, etc. Mas poxa, estou fazendo fisioterapia semanalmente desde 20 semanas de gestação e exercícios de estímulo em casa, além de descansar e tentar relaxar. Os principais, que esquecemos.

Eu sempre disse, desde o início, que faria cesárea se minha vida ou da Sofia corressem risco, mas simplesmente por que cansei de esperar? Não! O normal de uma gravidez é ir até 42 semanas, mas a gente não se prepara para isso. Foca em 39 semanas e pronto. Quando as dores começam a apertar, já não tem mais o que arrumar, os banhos quentes são constantes para relaxar, as idas à maternidade são semanais, já cansou de esperar… aí é o verdadeiro teste! Nesse final um dia faz a diferença, imagina uma semana?

Mais uma vez é só a ansiedade falando.
Eu tento diariamente pensar em outras coisas. Fiquei bemmmm mais introspectiva nos últimos meses de gravidez, porque senti que precisava. Ver série tem me ajudado MUITO, me distrair com trabalho também, arrumar as coisinhas da Sofia também. Minha vontade era de arrumar e desarrumar o quarto todos os dias, mas aí também bate a preguiça.

Vou ficando por aqui para voltar para minha série.
Agora a ansiedade é para ela nascer logo, depois será para ajustar a amamentação, a rotina dela, os meus treinos e por aí vai.

Pensa que a gravidez te deixa menos ansiosa? Não. Ela é um teste de 9 meses.
E algumas coisas a gente aprende né? Mas acho que a ansiedade não nos larga, ela só muda de circunstância E talvez, a gente aprenda a lidar melhor com ela. Como acho que possivelmente será nos próximos filhos.

 

 

Author Description

Posts recentes

Sem respostas para “40 semanas e contando…”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos exigidos estão marcados com *


*